“Teorias” alternativas dos Terraplanistas para a gravidade

Os Terraplanistas rejeitam a gravidade pois ela não é compatível com o modelo da terra plana. Para explicar os vários fenômenos explicados pela gravidade, eles inventaram muitos “fatos alternativos” diferentes para substituir a gravidade.

Os Terraplanistas concordam apenas em uma única coisa: que a Terra é plana. No entanto, como a Terra plana não é baseada em fatos reais, os Terraplanistas não podem concordar com praticamente tudo o resto. Diferentes comunidades de Terraplanistas têm suas explicações alternativas para a gravidade, as quais carecem de poder preditivo e não podem explicar adequadamente os fatos do mundo real. Continue lendo ““Teorias” alternativas dos Terraplanistas para a gravidade”

Movimento Helicoidal dos Planetas

Featured Video Play Icon

O Sistema Solar está em movimento ao redor da Via Láctea, enquanto os planetas no Sistema Solar estão em movimento orbitando ao redor do Sol. Como resultado, de um observador fora do Sistema Solar, os planetas parecerão se mover em um movimento helicoidal. Alguém criou uma animação desse movimento helicoidal; tornou-se viral e teve muita atenção da mídia.

OsTerraplanistas notaram a animação e a usaram para reforçar seus argumentos. Eles afirmam que, se a animação estiver correta, as estrelas devem aparecer em movimento e as trilhas de estrelas devem ser impossíveis. Mas na verdade, a animação não nos mostra as noções de grandes distâncias para as estrelas. Continue lendo “Movimento Helicoidal dos Planetas”

Aberração Estelar

Featured Video Play Icon

A aberração estelar é a aparente mudança de estrelas sobre suas posições reais, dependendo da direção em que a Terra está se movendo em sua órbita ao redor do sol. Isso ocorre porque a velocidade da luz é finita; leva tempo para que a luz chegue ao observador.

A aberração estelar foi descoberta em 1727 por James Bradley. Foi a primeira prova direta do heliocentrismo, de que a Terra está em órbita ao redor do sol. Continue lendo “Aberração Estelar”

Como Terraplanistas tentam nos enganar usando imagens de balões de alta altitude

Uma grande quantidade de memes feitos por Terraplanistas apresentam uma imagem tirada de um balão de alta altitude, mostrando a aparência de um horizonte plano. Evidentemente, essas imagens não podem ser consideradas como “prova” de uma Terra plana. O horizonte parece plano apenas por causa da distorção do cano da lente olho de peixe.

A seguir, mostramos como qualquer Terraplanista inescrupuloso tenta nos enganar usando filmagens de balões de alta altitude. Continue lendo “Como Terraplanistas tentam nos enganar usando imagens de balões de alta altitude”

Conspiração Global

Alguns Terraplanistas usam o que eles chamam de conspiração global como uma “desculpa” para abandonar um debate perdido. Ao serem encurralados, os Terraplanistas nos dirão que a Terra plana é uma “teoria” em andamento; é normal que esteja incompleto, por enquanto. “Mas o mais importante é descobrir a conspiração global e salvar o mundo desses poucos inescrupulosos!”

Na verdade, a teoria da conspiração global é apenas um dos tantos conceitos inventados para impedir que a Terra plana pareça ser falsa. Continue lendo “Conspiração Global”

Velocidade de Voos Comerciais de Longa Distância

As durações dos voos comerciais de passageiros são dados úteis para se ter uma ideia da distância entre cidades. Esses dados facilmente desmascaram a Terra plana. Os Terraplanistas inventaram “explicações” de que diferentes aviões têm velocidades diferentes para descartar os dados. Na verdade, todos os aviões de longa distância atuais têm uma velocidade de cruzeiro semelhante. Continue lendo “Velocidade de Voos Comerciais de Longa Distância”

Equívoco do Efeito Coriolis e a Falácia do Espantalho

Featured Video Play Icon

O efeito Coriolis atua sobre um objeto que é lançado em outro local mais próximo ou mais longe do eixo de rotação da Terra. O objeto retém a inércia da superfície da qual foi lançado, mas não corresponde mais ao necessário para mantê-lo em linha reta, de acordo com um observador na superfície.

No equador, a superfície da Terra está se movendo a uma velocidade de 465 m/s. Os Terraplanistas dizem que, se for esse o caso, um objeto lançado para cima deve se afastar do observador na mesma velocidade. Isso não acontece, e eles o usam para refutar o efeito Coriolis e a rotação da Terra em geral. Mas na verdade, o efeito Coriolis não é o que eles descrevem. Continue lendo “Equívoco do Efeito Coriolis e a Falácia do Espantalho”

Umbra, Penumbra e Antumbra em um diagrama de Eclipse

A luz geralmente viaja em linha reta. Podemos usar essa propriedade da luz para determinar a parte umbra, penumbra e antumbra de uma sombra, traçando linhas das bordas da fonte de luz em direção e além da do objeto oclusivo.

Os Terraplanistas consideram as linhas em um diagrama de eclipse uma violação do fato de que uma fonte de luz emite luz em todas as direções. Mas, na verdade, as linhas existem apenas para determinar os limites das regiões da sombra em um diagrama de eclipse. Continue lendo “Umbra, Penumbra e Antumbra em um diagrama de Eclipse”

Paralaxe Estelar

Featured Video Play Icon

A paralaxe estelar é a aparente mudança de posição de uma estrela próxima no contexto de estrelas distantes. É o resultado do movimento orbital da Terra em torno do Sol. A paralaxe é muito pequena e difícil de observar. A primeira medição bem-sucedida da paralaxe estelar foi feita somente após o século XIX.

Alguns Terraplanistas dizem que a paralaxe estelar nunca foi observada com sucesso e usam isso como “evidência” de que a Terra é estacionária. Mas na verdade, a paralaxe estelar foi medida com sucesso em 1838 e atualmente é usada como base para medir distâncias estelares. Continue lendo “Paralaxe Estelar”

Distorção da Groenlândia nos mapas

Featured Video Play Icon

A Groenlândia é 1/14 do tamanho da África. No entanto, em um mapa com a projeção Mercator, ela aparece do mesmo tamanho que a aflica devido às características de distorção da projeção Mercator.

Os Terraplanistas afirmam que a distorção do mapa Mercator é um fracasso da ciência em descrever o mundo. Mas na verdade, a distorção é uma consequência do achatamento de uma forma 3D em uma projeção 2D plana. A distorção também ocorre com o mapa equidistante azimutal, que é reivindicado pelos Terraplanistas como o sendo o “mapa da Terra plana”. Todos os mapas têm distorções: é incorreto assumir que o mapa equidistante azimutal não possui distorções. Continue lendo “Distorção da Groenlândia nos mapas”

Estágios de um foguete

Um foguete consistem em vários estágios. Dois ou mais foguetes menores são combinados em um único foguete. Eles são acionados em ordem; quando um estágio anterior fica sem combustível, ele é descartado para reduzir a carga para o restante do foguete.

Os Terraplanistas descobriram vídeos de foguetes sendo recuperados do oceano e os usaram como uma “evidência” de que nunca foram ao espaço. Mas na verdade, esses são os estágios anteriores dos foguetes. Os últimos estágios alcançam o espaço. Continue lendo “Estágios de um foguete”

A aparência curvada da trajetória de um Foguete

Featured Video Play Icon

Os lançamentos de foguetes possuem uma trajetória aparentemente curvada, porque seu objetivo não é apenas alcançar o espaço, mas também entrar na órbita da Terra. Para isso, um foguete precisa ganhar uma velocidade horizontal suficiente, paralela à superfície da Terra.

Terraplanistas afirmam que a aparência curvada da trajetória do lançamento de um foguete “prova” que os foguetes nunca chegam ao espaço. Mas na verdade, isso é causado devido ao movimento do foguete paralelo à superfície da Terra, efeito de perspectiva e curvatura da Terra. Continue lendo “A aparência curvada da trajetória de um Foguete”

“Rato” em um lançamento do foguete Falcon9 da SpaceX

Featured Video Play Icon

No vídeo da missão CRS-19 do foguete Falcon9 da SpaceX, os Terraplanistas perceberam que algo está se movendo perto da exaustão do foguete do segundo estágio. Criativamente, eles o interpretaram que aquilo era um “rato” e o usaram para “refutar” o voo espacial e as pessoas envolvidas.

Na verdade, eram apenas resíduos cristalizados do motor de foguete. Para saber isso, só precisamos ver a parte do vídeo após a escolhida por Terraplanistas. O “rato” desapareceu lentamente por evaporação. Continue lendo ““Rato” em um lançamento do foguete Falcon9 da SpaceX”

Observação de satélites geoestacionários

Featured Video Play Icon

Os satélites geoestacionários orbitam a Terra com a mesma taxa de rotação da Terra, 35786 km (22236 milhas) acima do equador. Eles são muito distantes e escuros para o olho nu. No entanto, podemos observá-los usando um telescópio e uma câmera.

Podemos observar muitos deles:

  • usando uma montagem equatorial,
  • apontando o telescópio para uma estrela que se encontra no caminho da órbita, e
  • usando uma câmera com uma configuração de longa exposição.

Continue lendo “Observação de satélites geoestacionários”

Movimento próprio

Featured Video Play Icon

Movimento próprio é o movimento aparente das estrelas, causado pelo movimento das próprias estrelas, em relação ao sistema solar. As estrelas parecem mudar ao longo do tempo, em relação a outras estrelas mais distantes.

Os Terraplanistas dizem que as estrelas estão em movimento apenas em torno de Polaris, ou o pólo celeste norte. Mas eles estão errados. As estrelas têm outros movimentos observáveis, um dos quais é o movimento próprio. Continue lendo “Movimento próprio”

Aplicando zoom em um navio parcialmente obscurecido

Featured Video Play Icon

Aumentar o zoom torna o campo de visão da câmera mais estreito e, na verdade, amplia a parte central da imagem. O zoom usando o zoom óptico pode melhorar a resolução angular, mas nunca revelará um objeto distante que é obscurecido por outro objeto.

Terraplanistas dizem que o zoom revelará completamente um navio parcialmente obscurecido. Na verdade, a proporção do navio que está escondido em comparação com o que é visível permanece a mesma em toda a faixa de zoom.

Referências

Satélites em Órbita Geoestacionária

Featured Video Play Icon

Se um satélite for colocado em uma órbita 35786 km acima do equador, ele estará em movimento na mesma velocidade que a rotação da Terra. Como resultado, o satélite parecerá praticamente imóvel de um observador na superfície da Terra. Muitos satélites de comunicação estão nessa órbita para que um receptor de satélite não precise rastrear o satélite continuamente.

Terraplanistas costumam considerar o fato de que os satélites estão em movimento, e a maioria das antenas parabólicas tem uma direção fixa como “prova” de que os receptores não podem estar apontando para satélites. Na verdade, é possível colocar um satélite em uma órbita geoestacionária para fazê-lo aparecer em uma posição fixa no céu em relação a um observador na Terra. Continue lendo “Satélites em Órbita Geoestacionária”

Foco Infinito

Para um dispositivo óptico, como uma câmera, não há muita diferença entre um avião a 20000 pés e a Lua a 384400 km (238855 mi). A abertura da lente é muito pequena em comparação com a distância de qualquer objeto. Focar um dos objetos também fará com que o outro objeto fique focado.

Os Terraplanistas afirmam que, como os dois objetos aparecem em foco em uma fotografia, a Lua deve estar próxima ao avião. Na verdade, ambos podem ser considerados pelo foco infinito. E será fácil fazer com que os dois objetos fiquem em foco simultaneamente. Continue lendo “Foco Infinito”

Dia Sínodico vs Dia Sideral

Featured Video Play Icon

Em 24 horas, a Terra gira um pouco mais que uma rotação completa devido ao seu movimento ao redor do Sol. Nós chamamos isso de um dia ou um dia sinódico. Por outro lado, um dia sideral é o período de uma rotação em relação a estrelas distantes.

Os Terraplanistas afirmam que, se a Terra está em órbita ao redor do Sol, após seis meses, nas mesmas horas, o dia se transforma em noite e a noite se transforma em dia. Na verdade, isso seria verdade se estivéssemos usando o dia sideral, não o dia sinódico, ou apenas “dia” na nossa linguagem cotidiana. Continue lendo “Dia Sínodico vs Dia Sideral”

O experimento de Cavendish

Featured Video Play Icon

O experimento de Cavendish foi o primeiro experimento a medir a força da gravidade entre as massas em um laboratório e o primeiro a produzir valores precisos para a constante gravitacional.

Os Terraplanistas constantemente tentam “refutar” o experimento de Cavendish. Eles inventaram várias “explicações” para  tentar “explicar” o resultado dos experimentos. No entanto, o experimento não foi feito apenas uma vez por Henry Cavendish em 1797-1798, foi replicado inúmeras vezes por várias pessoas independentes durante séculos, todos produzindo resultados consistentes e semelhantes. Continue lendo “O experimento de Cavendish”