Perspectiva

Um dos principais buracos no modelo da Terra plana é o movimento aparente do Sol. O sol nasce e se põe uma vez ao dia. Mas se a Terra fosse plana, então o nascer e o pôr-do-sol nunca deveriam acontecer, e o Sol seria visível o tempo todo, de qualquer lugar da Terra. A fim de “tapar o buraco” e “explicar” esse problema, eles inventaram uma hipótese ad-hoc de que o Sol não é visto o tempo todo por causa da perspectiva.

O pretexto é que um objeto aparece mais perto do horizonte à medida que se afasta do observador. Eles extrapolaram esse fato e assumem de maneira errada de que, se ele prosseguir com a sua rota, então, eventualmente, ele parecerá ir cruzando a linha do horizonte e não será mais visível.

A alegação é obviamente contrária ao que experimentamos todos os dias. Qualquer objeto que apareça acima do horizonte ficará acima dele, não importa o quão longe esteja. Se o objeto estiver longe o suficiente, ele aparecerá como um único ponto, coincidindo com o ponto de fuga.

Por outro lado, o mesmo acontece com objetos que aparecem abaixo do horizonte. Por exemplo, um trilho longo e reto parecerá convergir para um único ponto, se estiver longe o suficiente. Não parecerá “subir” e atravessar a linha do horizonte, por mais longe que seja.

O pôr do sol tem uma explicação muito mais simples e plausível. Quando o pôr do sol acontece, o sol já não está fisicamente acima do horizonte. Não é mais visível, pois está ocultado pela curvatura da Terra.

Referência