Espectro de Fraunhofer

A luz solar pode ser divididas em suas cores constituintes usando um prisma. As cores são o espectro óptico do sol. Elas são as mesmas cores em arco-íris. Na observando cuidadosamente, o espectro não é perfeitamente contínuo, mas tem linhas escuras espalhadas por todo o espectro. Descobriu-se que a partir dessas linhas, podemos dizer a composição do Sol sem fisicamente ir lá.

Alguns Terraplanistas acreditam que é impossível determinarmos a composição do Sol, pois é impossível alguém ir até o Sol sem ser assado no processo. Obviamente estão errados. A composição do Sol pode ser determinada a partir das linhas espectrais, ou mais especificamente para o Sol: Espectro de Fraunhofer.

Em 1802, William Hyde Wollaston foi a primeira pessoa a notar a aparência de feições escuras no espectro solar. Em 1814, Joseph von Fraunhofer descobriu o mesmo fenômeno e fez uma medição cuidadosa dessas características.

45 anos depois, Kirchoff & Bunsen descobriram que algumas espectros (ou linhas) de Fraunhofer coincidem com as linhas de emissão de elementos aquecidos. Descobriu-se que as linhas são causadas pela absorção de elementos químicos na camada externa do Sol e também na atmosfera da Terra.

A espectroscopia – e mais especificamente a espectroscopia astronômica – é o estudo da astronomia usando a medida do espectro da radiação eletromagnética. A partir disso, podemos determinar muitas propriedades das estrelas, como composição, temperatura, densidade, massa, distância, luminosidade e movimento relativo.

Os Terraplanistas acreditam que a composição do Sol só pode ser conhecida indo até lá e estudar a superfície do Sol. Estão errados. Podemos determinar a composição do Sol a uma distância segura usando o conhecimento da espectroscopia astronômica.

Referências