Luas de Galileu: os primeiros objetos vistos orbitando um outro objeto

Júpiter possui quatro grandes luas: Io, Europa, Ganimedes e Calisto. Elas são chamadas de luas de Galileu. Eles são fáceis de observar e foram os primeiros objetos encontrados em órbita de um planeta diferente da Terra.

Terraplanistas frequentemente exigem provas de que um objeto pode orbitar outro objeto. Tudo o que eles precisam fazer é usar um telescópio para observar Júpiter e suas luas.

As luas de Galileu foram primeiramente observadas por Galileu Galilei em 1610, daí o termo “luas de Galileu”. Estas são as primeiras evidências de que um objeto pode orbitar um objeto diferente da Terra. É uma das primeiras descobertas que levam ao heliocentrismo, que os planetas estão em movimento ao redor do Sol no centro do sistema solar.

Podemos observar Júpiter sem nenhum esforço a olho nu. As luas de Galileu têm a magnitude de 4.6-5.6 e são brilhantes o suficiente para serem vistas a olho nu. Mas devido a sua proximidade como Júpiter é mais brilhante (-2,9), é mais difícil vê-las. Sob as condições certas, podemos observá-las obscurecendo Júpiter usando o nosso dedo mínimo. Se um binóculo ou telescópio estiver a disposição, seria muito mais fácil observar as luas de Galileu.

Essas quatro luas têm períodos orbitais relativamente curtos, entre 1,8 dias (Io) a 16,7 dias (Callisto). Ao fazer duas observações separadas, com apenas um dia de intervalo, podemos dizer prontamente que as luas mudaram de lugar.

Júpiter e suas luas são provas diretas de que pode haver sim um objeto orbitando outro objeto além da Terra, exatamente como exigido pelos Terraplanistas. Para realizar essa observação simples, não é necessário ter equipamentos caros, muito tempo ou conhecimento detalhado.

Referências